Curta Ficção #041 – Distopias



Curta Ficção #041 – Distopias

Ouvir

Neste episódio, Jana Bianchi Thiago Lee recebem (novamente) o escritor Eric Novello para falar sobre distopias e seu mais novo livro Ninguém Nasce Herói. Quais os principais elementos de uma distopia? Como buscar inspiração do mundo real e aplicá-las em suas narrativas?

Comente no feed do podcast, na página do Facebook ou pelo Twitter, no @curtaficcao. A gente quer ouvir sua opinião!

***

ATENÇÃO!

Para ouvir o episódio, clique no botão play ou no botão de download no plugin abaixo.

Feed do podcast: http://curtaficcao.blubrry.com/feed/podcast/

Assinem nossa newsletter

Curtam nossa página no Facebook

Sigam-nos no Twitter

***

SORTEIO DO LIVRO ‘NINGUÉM NASCE HERÓI’

Para participar do sorteio de um exemplar de Ninguém Nasce Herói, autografado pelo Eric Novello, compartilhe o link desta página (ou o link encurtado: http://bit.ly/curtaficcao041) no seu Facebook ou Twitter, na forma PÚBLICA, e depois preencha o formulário do link abaixo com seu nome, e-mail mais utilizado e com o link da sua publicação ou do seu perfil no Twitter ou no Facebook (para que possamos conferir o compartilhamento). O sorteio estará valendo até 07 de maio, às 23:59!

Formulário: https://goo.gl/forms/6QY13fDpCon1ovzl2

***

LINKS COMENTADOS

OBRAS RECOMENDADAS

***

CONFIRAM NOSSOS TRABALHOS

Ecos da Galeria – Newsletter

Guerras Cthulhu

Sombras, de Jana P. Bianchi

Revista Mafagafo

Lobo de Rua, de Jana P. Bianchi

Réquiem para a Liberdade – Wattpad – Thiago Lee

Fio Puxado, de Rodrigo Assis Mesquita

Grifo Negro – Blog do escritor Rodrigo Assis Mesquita

Dúvidas, comentários, sugestões – contato@curtaficcao.com.br


15 thoughts on “Curta Ficção #041 – Distopias

  1. A distopia que mais me deixou mal, a ponto de ter pesadelos, foi O Conto da Aia de Margaret Atwood. Parece tão distante, mas ao mesmo tempo *tão* próximo, especialmente de nós, mulheres. Eu li em uma semana, até mesmo pq me afetou tanto que eu não iria aguentar a leitura por muito mais tempo do que isso. Nem assisti à série, não sei se tenho estômago.

    1. Oi, Lina, obrigada pelo comentário! 🙂

      Nossa, o Conto da Aia também acabou comigo! Inclusive, também tive um pesadelo horrível depois de ler, comentei em um outro podcast sobre que participei (lá no 30MIN, recomendo segui-los, inclusive!)… Eu assisti a série também, e meu… é realmente muito forte. Mexeu muito comigo, fiquei numa bad horrível por um bom tempo… 🙁

      Abração!
      Jana

    2. “Parece tão distante, mas ao mesmo tempo *tão* próximo” – acho que é justamente nestes pontos que acabamos fascinados por distopias… Nos conduzem até mundos tão diferentes e de repente nos mostram semelhanças tão próximas, que ficamos maravilhados e muitas vezes assustados.

      Nossa, vou tomar nota para por “O Conto da Aia” na minha lista de leitura!

      1. Fala, Mike!

        Meu, leia Conto da Aia… É uma PORRADA, fiquei ruminando a leitura por muito tempo. E é lindo, tem umas passagens que dá vontade de emoldurar! E que legal que o programa ajudou a explorar um pouco mais o gênero. Eu não lia tantas, mas recentemente parei pra prestar atenção e li livros incríveis!

        Abração e obrigada por comentar!
        Jana

    1. Oi Patricia!
      Obaaa, que bom! Obrigada por comentar! A gente adorou receber o Eric de novo! <3
      Abração!
      Jana

  2. Adorei o programa, principalmente por vocês terem chamado grande PROFETA Eric Novello, pois a cada dia Pindorama mais se parece com seu último livro. E por falar nisso, é exatamente o que me deixa mais triste com o Brasil e com o mundo, é o fato de produzirmos e consumirmos tanto sobre distopias e ainda sim caminhamos em direção a elas. Jogos Vorazes se torna um fenômeno e ainda sim seus leitores pendem Intervenção Militar, Black Mirror explode aqui a ponto de virar gíria e ainda sim eles lançam um aplicativo que simula o primeiro episódio da 3ª Temporada. Sem contar que recentemente descobri que uma amiga minha, mega fã de Harry Potter, virou “militante” pró-Bolsonabo. Será que esse efeito vem do fato da galera não refletir após consumir uma história distópica ou pensar que ela é pura ficção que o mundo chegará ao mesmo ponto ?

    1. Fala, Ton, tudo bom?

      Ótimo o seu comentário, eu já me peguei pensando nisso. Eu acho que esse “fenômeno” é uma mistura das duas coisas que você falou, fora a questão de que as pessoas nem sempre conseguem ler os subtextos ou entender totalmente o que leem. O que é muito triste, né, porque é nas entrelinhas que ficam as mensagens mais importantes. Me resta acreditar que, pra cada um desses “perdidos”, tem alguém que lê, reflete e faz vale as mensagens, sabe?

      Obrigada por comentar! 🙂

      Abração,
      Jana

  3. Ótimo episódio, gente! Gostei muito das discussões levantadas. Eu não sou leitora frequente de distopias, mas a Trilogia Jogos Vorazes me marcou bastante por trazer uma trama política muito forte e que se assemelha com o que vivemos, como a profunda desigualdade social. E acho que são tramas com essa pegada que se destacarão daqui pra frente, por conversarem e refletirem sobre o cenário em que estamos inseridas.

    Quanto ao livro do Eric, já está na lista pra ser a próxima leitura 🙂

    Beijos,
    Carol

    1. Oi, Carol, tudo bom?

      Obrigada pelo comentário! Concordo total: acho que as distopias vão continuar ganhando cada vez mais relevância e destaque nesse mundo. Tocando um pouco no comentário do Ton, espero que as pessoas leiam direito pra extrair alguma coisa boa disso…

      E conta depois o que achou do livro do Eric! <3

      Abração!
      Jana

  4. Nem precisam ouvir o podcast, vou resumir: foram MUITAS indiretas contra Trump (quem o povo pensa que é para não eleger o candidato da grande mídia?) e algumas contra o Bolsonaro, fake news, falaram muito (indiretamente é claro) do “golpe” de 2016 e, por fim, o convidado externou muito sua preocupação com as eleições deste ano (realmente seria uma distopia para essa juventude frágil a possibilidade de um candidato que não seja de esquerda e odiado pela mídia ganhar uma eleição no Brasil).
    Sobre distopias mesmo mal arranharam a superfície, poderiam, por exemplo, falar da mais importante distopia da literatura, que por coincidência é uma distopia comunista, mas preferiram panfletagem .

    1. Obrigada pela opinião, Rodrigo! Só acho meio esquisito essa sua recomendação de que ‘nem precisa ouvir o episódio’. A gente sinceramente prefere que cada um escute o programa, conclua o que bem quiser e, se for o caso, exprima sua opinião aqui, do mesmo jeito que você. Foi pra isso que a gente fez o episódio — vale sempre dizer que você tem toda a liberdade de fazer o seu próprio podcast e exprimir suas próprias opiniões também. 😉

Leave a Reply

*