Curta Ficção #037 – Frankenstein, feat. Feito Por Elas



Curta Ficção #037 – Frankenstein, feat. Feito Por Elas

Ouvir

Neste episódio, Thiago Lee Jana Bianchi convidam Michelle Henriques, Stephania Amaral e Isabel Wittman do podcast Feito Por Elas para discutir o livro Frankenstein e o filme homônimo de 1931, como parte da iniciativa #DaPaginaPraTela.

Comente no feed do podcast, na página do Facebook ou pelo Twitter, no @curtaficcao. A gente quer ouvir sua opinião!

ATENÇÃO!

Para ouvir o episódio, clique no botão play ou no botão de download no plugin abaixo.

Feed do podcast: http://curtaficcao.blubrry.com/feed/podcast/

Assinem nossa newsletter

Curtam nossa página no Facebook

Sigam-nos no Twitter

Links comentados:

FEITO POR ELAS
– Site: https://soundcloud.com/feitoporelas
– Twitter: https://twitter.com/FeitoporElas_
– Instagram: https://www.instagram.com/feitoporelas_/
– Facebook: https://www.facebook.com/cinemafeitoporelas/

ISABEL WITTMANN
– Twitter: https://twitter.com/iwittmann
– Blog Estante da Sala: http://estantedasala.com/

STEPHANIA AMARAL
– Twitter: https://twitter.com/StephaniaAmaral
– Instagram Discos da Ste: https://www.instagram.com/discosdaste/
– Cinematorio: http://www.cinematorio.com.br/

MICHELLE HENRIQUES
– Leia Mulheres: https://leiamulheres.com.br/
– Feminist Horror: https://thefeministhorror.wordpress.com/about/

PARTICIPANTES DO DA PÁGINA PRA TELA
– Covil de Livros: http://covilgeek.com.br/category/covil-de-livros
– Perdidos na Estante: http://leitorcabuloso.com.br/category/cabulosocast/
– Multiverso X: http://www.multiversox.com.br/search/label/Podcast
– Masmorracast: https://masmorracine.wordpress.com/category/podcast/masmorracast-podcast/
– TigreCast: https://umtigrenocinema.com/tigrecast-podcast-de-cinema/
– O Que Assistir: http://oqueassistir.com.br/category/podcast/

– Filme clássico 1931: http://www.imdb.com/title/tt0021884/
– Filme com De Niro: http://www.imdb.com/title/tt0109836/
– Peça Frankeinstein: http://ntlive.nationaltheatre.org.uk/productions/ntlin1-frankenstein
– Filme “May”: http://www.imdb.com/title/tt0303361/
– Mathilda (Coleção A Arte da Novela): http://www.grualivros.com.br/mathilda

 

Confira nossos trabalhos:

Fio Puxado, de Rodrigo Assis Mesquita

Grifo Negro – Blog do escritor Rodrigo Assis Mesquita

Ecos da Galeria – Newsletter

Guerras Cthulhu

Sombras, de Jana P. Bianchi

Lobo de Rua, de Jana P. Bianchi

Réquiem para a Liberdade – Wattpad – Thiago Lee

Dúvidas, comentários, sugestões – contato@curtaficcao.com.br

 


8 thoughts on “Curta Ficção #037 – Frankenstein, feat. Feito Por Elas

  1. Tem uma série na Netflix, As Crônicas de Frankstaem. É meio histórico assim e tudo rola em volta do comércio de corpos, e o livro é tipo assim uma peça central da série, inclusive a autora é retratada na série. É bem interessante.

    1. Fala, Rodrigo, tudo bom? Caramba, não tinha ouvido sobre essa série! Dei uma procurada aqui e parece super interessante! 😮
      Com certeza vou conferir! Valeu pela dica!

      Abração!
      Jana

  2. Hahaha, quando vi o filme clássico os nomes trocados me confundiram e até hoje eu fiquei para ler a história original para conhecer as diferenças da obra com as visões cinematográficas.

  3. Olá, cheguei aqui pq sou ouvinte do Feito por Elas e amante do terror. Gostei do podcast de vcs e vou procurar ouvir outros episódios. 🙂

    Sobre o livro Frankenstein, li super recente (na verdade, terminei faz alguns dias apenas, rs) não achei a escrita arrastada, apenas gótica mesmo. Quero dizer, é extremamente dramático, mas não vejo como defeito, apenas é uma característica q não estamos acostumados. Entretanto, o Victor é um personagem que chega a ser irritante em seu drama feat. burrice hahaha Mas faz parte, eu tendo a não gostar muito dos protagonistas dos livros q leio. A criatura, no entanto, por maiores q tenham sido as atrocidades q cometeu, eu não consigo não perdoá-lo lá no fundo do meu coração. É como uma das meninas disse, é uma discussão super atual pq qdo a sociedade exclui e ensina o desprezo, o que mais alguém poderia aprender? Percy Shelley escreveu sobre isso: “Retribua o afeto com desprezo; deixe a criatura ser tida, por qualquer motivo, como a escória da espécie; coloque-a à parte, como ser social, da comunidade e lhe imporá obrigações irresistíveis: malevolência e egoísmo”.

    Quanto ao filme de 1931, eu amo amo amo. Ele simplificou sim a história, mas para a época fazia sentido, tanto em termos de o que as pessoas estavam preparadas para consumir enquanto cinema, quanto em termos de tecnologia mesmo. E fez o trabalho “publicitário” de marcar na história o personagem. Não fosse esse ícone cult, eu não sei quantos de nós teríamos conhecido o livro após esses 200 anos.

    Queria tb falar rapidamente sobre o filme de 1994 – CONTÉM SPOILERS A SEGUIR. Ele se aproxima bastante do livro, fazendo grandes alterações, mas isso é comum em adaptações desse tipo (vide O Iluminado, por exemplo). Não é uma obra prima (diferente de O Iluminado, por exemplo, rs), mas tem seus erros e acertos. Deixando os erros de lado, vou me concentrar em algumas coisas q gostei nessa adaptação: a motivação principal para o Victor fazer a criatura é outra (a revolta pela perda da mãe), o que faz dele um pouco menos egocêntrico; ele abandona a criatura pq acredita q ela não sobreviveu de fato, o que faz dele menos imbecil (pelo menos momentaneamente); ele revive a Elisabeth, o que faz dele novamente um imbecil, mas por outros motivos (e eu achei q a ideia funcionou no filme, a cena em que ela se mata é bem bonita – e a escolha da Helena Bonham Carter foi um tiro certeiro!). Mas concordo que o Victor do filme é mais raso que o do livro e que a decisão de casar com a Elisabeth, q no filme é muito mais tratada como irmã do q no livro, é feita de maneira corrida e sem reflexão alguma.

    Enfim, tagarelei…

    Beijos!

    1. Fala, Tha, tudo bom?

      Adoreeeei seu comentário! Bem-vinda ao Curta Ficção, espero que goste! 🙂

      Sobre a sua relação com o Victor e o Monstro, eu concordo plenamente… Eu acho que fiquei mais irritada com o Victor do que você, pelo comentário, mas também não consigo deixar de perdoar o monstro. Ele é apenas resultado de tudo o que de errado e de ruim que fizeram com ele, né? Eu me afeiçoei muito mais a ele do que ao Victor, com certeza absoluta!

      E eu não vi o filme de 94, mas pelos seus comentários as motivações já parecem bem mais próximas do “convencional”, né? Fiquei com mais vontade ainda de assistir, pela sua descrição são escolhas narrativas interessantes!

      Obrigada mesmo por comentar, é muito legal ter participação de gente empolgada assim! <3

      Beijão!
      Jana

      1. Oi, Jana,

        Voltei só pra te dizer q eu estava ensandecida com Victor! Cada parágrafo ou eu tava irritada com o melodrama ou eu tava xingando de burro hahahaha. O que eu quis dizer no meu comentário anterior é que isso não prejudicou a leitura (não deixei de gostar do livro por isso), pq eu já li mto livro em que o protagonista me tirou do sério, rs. Mas a Criatura <3

        E vale a pena ver o filme de 94 pq tem a Helena Bonham Carter MARAVILHOSAAAA (e tem umas partes q o Kenneth Branagh está sem camisa hahahaha)

        Beijo!

        1. HAHAHA aaaaaa, então a gente teve mesmo a mesma relação com Victor e criatura! E siiim, sem dúvida não atrapalhou minha leitura! Também amei demais o livro, a leitura fluiu muito bem (até mais do que eu imaginava)… E meu, como eu não vi esse filme ainda? Fica o mistério! Adorei seus remarks especiais rs

          Beijão! <3
          Jana

Leave a Reply

*