Curta Ficção #011 – Que se Faça a Luz: Inícios de Narrativa



Curta Ficção #011 – Que se Faça a Luz: Inícios de Narrativa

Ouvir

Os meios de comunicação caíram, não há mais pedra sobre pedra. Mas quem tem contatos tem tudo, então nossa transmissão continua de pé. Neste episódio, talvez o último antes da tempestade solar que vai bagunçar para sempre as onda de áudio, Thiago Lee, Jana Bianchi e Rodrigo Assis Mesquita falam sobre inícios de narrativas. Através de uma análise de começos de várias obras, discutem sobre o apelo de um bom início, o trecho de uma obra que tem o poder de capturar o leitor.

Lembrando que até 17/04/2017 você pode participar do PRIMEIRO CONCURSO DE FICÇÃO RELÂMPAGO DO PODCAST CURTA FICÇÃO!

Leia o regulamento clicando aqui!

ATENÇÃO!

Para ouvir o episódio, clique no botão play ou no botão de download no plugin abaixo.

Feed do podcast: http://curtaficcao.blubrry.com/feed/podcast/

Assinem nossa newsletter

Curtam nossa página no Facebook

Sigam-nos no Twitter

Links comentados:

Breaking Bad – Crafting a TV Pilot

O Hobbit, de J. R. R. Tolkien

O Pistoleiro, de Stephen King

O Nome do Vento, de Patrick Rothfuss

A Metamorfose, de Franz Kafka

A Luneta Mágica, de Joaquim Manoel de Macedo

Neuromancer, de William Gibson

The Dark Birds, de Ursula Vernon

A Guerra dos Tronos, de George R. R. Martin

Harry Potter e a Pedra Filosofal, de J. K. Rowling

Wattpad Thiago Lee

Podcast Os 12 Trabalhos do Escritor

Blog Grifo Negro

Dúvidas, comentários, sugestões – contato@pacotaoliterario.com.br

 


8 thoughts on “Curta Ficção #011 – Que se Faça a Luz: Inícios de Narrativa

  1. Olá, pessoal!
    É a primeira vez que comento o podcast de vocês e tenho que dizer: adorei esse episódio!
    Concordo plenamente com tudo que foi dito: um livro pode até ficar ruim no final (o que não é recomendado), mas se ele não começa bem, ninguém tem obrigação de ler.
    “Ah, mas fulano começa mal, fica bom e é famoso”, podem dizer. E eu respondo “e você é o fulano? Você tem o marketing dele? Tem os fãs dele?”.
    Para maiores informações, recomendo que acessem os links indicados no item 4 desse artigo (em breve, este podcast fará parte da lista): http://detonerds.blogspot.com.br/2017/02/arquivos-para-escritores.html
    Obrigado a todos(as).

    1. Valeu pelo comentário, Davi 🙂

      Muito legal o link, já estou salvando aqui para dar uma olhada em todas as dicas lá.

  2. Ótimo cast, gostei das recomendações. Estou pensando numa história que o começo foge dessas dicas, porém, não consigo encontrar outra solução que seja mais direta provoque a atenção do leitor para substituir o tom que quero passar. Alguma dica ou sugestão?

    Segue o trecho inicial para quem puder me ajudar:

    ” – Todo robô é menino – disse o jovem uniformizado do segundo ciclo que atuava como acompanhante de turma.
    – Não – respondeu furiosamente uma jovem acompanhante. Minha róbie gosta de brincar comigo como se fosse minha amiga.
    – Mentirosa! Meu robô e de todos meus amigos só gostam de coisas de homem: games, futebol, lutas de robôs, guerras em VR e matemática.
    – Não sejam tolos – cortou secamente minha professora. Esse negócio de coisas de homem ou de mulher são preconceitos bobos que não são aceitos mais no mundo de hoje. Preconceitos dos seus avôs, de um tempo que merece ser esquecido… “

    1. Oi, Ary!

      Que bom que tá gostando do cast! Lembrando que as dicas são apenas dicas, não existem regras definidas. Tudo depende do feeling do autor (afinal de contas é um processo criativo). O importante é tentar fisgar o leitor no começo sem bombardeá-lo com informações desnecessárias, que podem ser inseridas no decorrer da trama. A ideia é deixar somente o essencial, que vá chamar a atenção.

      Valeu! 😀

  3. Saudações.
    Antes de mais nada preciso parabenizar vocês pelo excelente trabalho, os podcasts estão contribuindo e muito para a minha tentativa de ser um escritor.
    Em relação a escrita eu tenho algumas dúvidas que talvez possam virar temas para futuros episódios. A minha dúvida gira em torno do processo de revisão, existem técnicas e dicas gerais para revisar um livro? O melhor é reescrever tudo ou ir relendo e alterando o necessário? E principalmente, quando sabemos que a revisão acabou? Não espero uma resposta a essas questões aqui nos comentários, pois acredito que daria um texto longo, expus mais para quem sabe virar um tema do podcast.
    Agradeço a atenção e abraços.

    1. Oi, Alex, tudo bem?
      Se eu disser que já temos um episódio engatilhado sobre isso, você acredita? 🙂

      Ainda não tem data pra sair, mas em breve aparece por aqui, fica ligado!

      1. Sensacional, ficarei no aguardo. Escuto todos os episódios que vocês lançam.
        Parabéns pelo excelente trabalho.

        1. Obrigado pelo carinho, Alex. Sempre que tiver sugestão, pode comentar. O feedback de vocês é muito importante 🙂

Leave a Reply

*