Curta Ficção #061 – Criando Protagonistas



Curta Ficção #061 – Criando Protagonistas

Ouvir

Neste episódio, Thiago Lee, Jana Bianchi e Paola Siviero dão algumas dicas de aspectos importantes a se considerar na hora de construir um bom protagonista — o personagem mais importante da sua história.

Comente no feed do podcast, na página do Facebook ou pelo Twitter, no @curtaficcao. A gente quer ouvir sua opinião!

***

ATENÇÃO!

Para ouvir o episódio, clique no botão play, no botão de download no plugin abaixo, ou escute pelo perfil do Curta Ficção no Spotify.

Curta Ficção no Spotify: https://open.spotify.com/show/7g006vOSEM82oK207XUX7E

Feed do podcast: http://curtaficcao.blubrry.com/feed/podcast/

***

Assinem nossa newsletter

Curtam nossa página no Facebook

Sigam-nos no Twitter

***

APOIE NOSSO FINANCIAMENTO COLETIVO!

  • Catarse Assinaturas: catarse.me/curtaficcao > CORRE PRA PEGAR AS COTAS DAS PRIMEIRAS 24H E DA PRIMEIRA SEMANA!
  • PicPay: procure pelo nosso perfil @curtaficcao

COMO FUNCIONA O PICPAY?

Para nos apoiar pelo PicPay, primeiro baixe o app pelo Google Play neste link ou na Apple Store neste link, e então siga os passos abaixo. Depois é só escolher o plano de recompensas e a forma de pagamento.

CONFIRAM NOSSOS TRABALHOS

Dúvidas, comentários, sugestões – contato@curtaficcao.com.br


3 thoughts on “Curta Ficção #061 – Criando Protagonistas

  1. Salve, Salve, não mais dupla, mas trio dinâmico!
    Primeiramente queria dizer que concordo que, ainda que “Mute” da Netflix tenha boas ideias e até um bom elenco, é um filme bem fraquinho…
    Como um adendo a esse tema tão importante num episódio tão legal, que são esses mais técnicos, eu queria ressaltar o que a Jana disse a respeito da relação de “falhas morais” e “Homem-Aranha”:
    O recente e EXECELENTE filme que a Jana citou, “Homem-Aranha no Aranhaverso”, explora tão bem a relação entre “os heróis também tem falhas” ele consegue “brincar” com a ideia do “Homem-Aranha não ser um super-herói perfeito” em diferentes óticas. Se por um lado “Peter Parker” original tinha como problema o fato de ser fudido de grana, ter que cuidar da Tia May, etc, mas acaba recebendo os “poderes de aranha”, por outro o “multiverso” mostra que há mais de um jeito de se lidar com o plot do “e se alguém tivesse poderes de aranha”. Cada homem aranha em cada universo diferente tem, basicamente, os mesmos poderes, no entanto, o que faz cada um deles ser único são suas falhas morais. A Gwen-Aranha tem os poderes mesmos poderes, mas no universo dela o melhor amigo morreu, então ela é uma pessoa que vive em eterno luto (sua falha moral). O “Homem-Aranha mais velho” tem os mesmo poderes, mas sua falha moral são os problemas de relacionamento com a Mary Jane. Até o protagonista, Miles, mesmo apresentando poderes do seu ídolo tem uma identidade própria devido suas próprias falhas (no caso, Miles não tem auto-confiança, vem de um grupo historicamente marginalizado, e sofre muita pressão por parte da família).
    Logo, mesmo 3 personagens tendo o mesmo “E se…”, podem ser completamente diferentes dependendo das falhas que são abordadas.
    Deixo aqui meu abraço a vocês e contem comigo nesse projeto do Catarse 😉 <3

  2. Fala, grande Ton!

    Aaaaaah, que análise mais linda essa que você fez do Aranhaverso (amo esse filme com todo o meu coração). E pontos pro roteiro que deu falhas morais e arcos não só pro protagonista, como pra todo o núcleo de personagens principais!

    E obrigada pelo apoio no Catarseeeeee! <3

    Beijão!
    Jana

  3. Olá, pessoal!

    Gostei muito do programa e das dicas.

    Somando com outros podcasts que já ouvi, tenho uma pergunta: acham que o protagonista é importante para o enredo da mesma forma que a Rainha é importante para o jogo de Xadrez?

    Obrigado a todos(as).

Leave a Reply

*