Curta Ficção #014 – A Narrativa de Logan



Curta Ficção #014 – A Narrativa de Logan

Ouvir

Neste episódio, Thiago Lee Jana Bianchi discutem (sem spoilers) os artifícios narrativos utilizados em Logan, novo filme da franquia dos X-Men nos cinemas.

 

Comente no feed do podcast, aqui na página do Facebook ou pelo Twitter, no @curtaficcao. A gente quer ouvir sua opinião!

ATENÇÃO!

Para ouvir o episódio, clique no botão play ou no botão de download no plugin abaixo.

Feed do podcast: http://curtaficcao.blubrry.com/feed/podcast/

Assinem nossa newsletter

Curtam nossa página no Facebook

Sigam-nos no Twitter

Links comentados:

Serviço de Leitura Crítica e Preparação de Texto

Guerras Cthulhu

Catarse Araruama

Sombras, de Jana P. Bianchi

Lobo de Rua, de Jana P. Bianchi

Réquiem para a Liberdade – Wattpad – Thiago Lee

Dúvidas, comentários, sugestões – contato@pacotaoliterario.com.br

Música usada no episódio: “Hurt” de Johnny Cash, utilizada nos trailers do filme Logan.


9 thoughts on “Curta Ficção #014 – A Narrativa de Logan

  1. Caramba… análise espetacular dos detalhes do filme.
    Eu, particularmente, adoro esse tipo de episódio.

    Parabéns e obrigado!!!

    1. Fala, Samuel!

      Opa, obrigada pelo retorno! A gente curtiu gravar também, foi um filme que a gente amou.
      Vamos fazer episódios novos nesse formato sim! Se tiver alguma sugestão de obra pra analisar, volta aqui e comenta. 🙂

      Abraços!
      Jana

  2. Muito bom! Eu gostei. E da minha parte não ligo a mínima para spoilers. Podem contar a estória toda que pra mim tá valendo.

    1. Fala, Rogério!

      Muito obrigada pelo retorno! E a gente tá tendo muito retorno pedindo o episódio com spoilers, acho que vai ser o caminho! Só colocar um aviso bem nítido na descrição e no começo do episódio, né?

      Obrigada pelo comentário! 🙂

      Abraço!
      Jana

    1. Hahaha fala, xará!

      Acho que o jeito vai ter que ser com spoilers mesmo! Vamos considerar! 🙂

      Abraço!
      Jana

  3. Sim, sim. Continuem \o/

    Sobre Logan: ainda bem que o filme não subestimou a inteligência de quem assistiu. Acho desnecessário nesses filmes de super herói os personagens terem que explicar tudo… Aqui seguiram muito bem o “mostre e não conte”. E de quebra ainda foi uma aula de como escolher as temáticas, conflitos etc. para o público que se deseja atingir. Se é um drama/ação segue com essa ideia; não adianta fazer uma mistura danada de temas, situações, gêneros para pegar um público maior. No Logan até piadas que tiveram não destoaram do resto do filme.

    E concordo com vocês a respeito do o vilão… Aquilo foi meio caído… Fazer o que, né?

    1. Fala, Auryo!

      Obrigada pelo comentário, vamos continuar sim!

      E “não subestimar” acho que é uma ótima síntese do que fizeram no filme. Não quero depreciar os filmes de herói mais antigos (afinal, eles iniciaram um gênero), mas com Logan parece que perceberam que um filme de herói pode ser… apenas um bom filme. Me anima demais que o filme tenha tido um ótimo retorno de público e de crítica, porque não há sinal melhor de que queremos mais filmes como esse. Vamos ver se outros seguem essa tendência!

      Abraço!
      Jana

  4. Tô até agora pensando na forma de se criar identificacao com a geração que acompanhou os filmes (adulto que cuida do velho e da criança) bem original essa interpretação de vocês, não vi isso em nenhuma resenha que li. Parabéns e continuem desconstruindo roteiros pra gente 🙂
    Adoraria ver uma análise do roteiro da série Legion, também no universo mutante porém muito mais psicodélico

Leave a Reply

*