Curta Ficção #059 – Como Escolher o que Escrever



Curta Ficção #059 – Como Escolher o que Escrever

Ouvir

Neste episódio, nossos hosts discutem sobre escolher o tema e as características do seu próximo projeto literário, e descrevem um pouco suas experiências com projetos anteriores e atuais. Ouça o episódio para uma surpresa inédita 🙂

Comente no feed do podcast, na página do Facebook ou pelo Twitter, no @curtaficcao. A gente quer ouvir sua opinião!

***

ATENÇÃO!

Para ouvir o episódio, clique no botão play, no botão de download no plugin abaixo, ou escute pelo perfil do Curta Ficção no Spotify.

Curta Ficção no Spotify: https://open.spotify.com/show/7g006vOSEM82oK207XUX7E

Feed do podcast: http://curtaficcao.blubrry.com/feed/podcast/

***

Assinem nossa newsletter

Curtam nossa página no Facebook

Sigam-nos no Twitter

***

CONFIRAM NOSSOS TRABALHOS

Dúvidas, comentários, sugestões – contato@curtaficcao.com.br


12 thoughts on “Curta Ficção #059 – Como Escolher o que Escrever

  1. Habemos um trio de novo.
    Bem-vinda \o/ Yeah!!!

    Vou ouvir o episódio mais umas três vezes para considerar que ouvi de fato porque vocês vão falando e várias ideias vão surgindo.

    P.S.: Senhor (ou) Thiago (ou) Lee, por favor ao menos uma noveleta no mesmo universo de Cibersolitude (e quem sabe fazer com que a Dame Blanche domine o cast por inteiro ~carinha feliz~).

    1. Fala, grande Auryo!
      Obrigada pelo comentário!

      Voltamos à tríade! Hehehe… E se o episódio foi dando ideia, então foi ótimo! E meu, eu sempre insisto pro Lee escrever mais do Ciber, amo muito aquele conto! (E eu não tinha pensado que 2/3 do Curta tem publicação pela Dame hahaha bem notado!)

      Abração!
      Jana

  2. Habemos um trio de novo.
    Bem-vinda \o/ Yeah!!!
    Vou ouvir o episódio mais umas três vezes para considerar que ouvi de fato porque vocês vão falando e várias ideias vão surgindo.
    P.S.: Senhor (ou) Thiago (ou) Lee, por favor ao menos uma noveleta no mesmo universo de Cibersolitude (e quem sabe fazer com que a Dame Blanche domine o cast por inteiro ~carinha feliz~).

  3. Olá amigos do Curta Ficção! Tudo bem?

    Gostei muito das dicas. Acredito que começar por projetos menores seja o ideal mesmo. Até porque você tem a oportunidade de se descobrir como autor. No meu caso, enviei um conto de terror para Trasgo, Leitor Cabuloso e a Revista Diário Macabro. Vejam, que sem noção! Para resumir, meu conto foi selecionado e será publicado na próxima Revista Diário Macabro. O autor iniciante às vezes quer ser publicado (eu queria muito!), e nem analisa se o seu texto se enquadra naquele tipo de publicação. Ora, eu atirei para todo lado e nem considerei que meu conto combinava melhor com a temática da Revista de terror. A Trasgo e o Leitor Cabuloso responderam com muita educação me dizendo que eu poderia mandar outros trabalhos. O fato deles terem lido meu conto e ter me respondido também me deixou satisfeito.
    Enfim, gostei muito do programa e como sempre aprendi muito com ele. Parabéns pelas novidades e desejo a vocês muito sucesso em 2019! Um abraço literário!

    1. Fala, Robson, tudo bom?

      Ah, esse “impulso” é muito natural! Já é legal demais que você tenha percebido (e de toda forma enviar o conto deu resultados, parabéns pela publicação hehehe…). E Leitor Cabuloso e Trasgo são dois projetos super responsáveis, não podia esperar outra coisa do que uma resposta legal e educada deles! É demais saber que essa é a experiência do autor iniciante que envia material pra eles!

      Obrigada pelo comentário e pelo carinho! Estamos juntos em 2019! <3

      Abração!
      Jana

  4. É… Com tanta coisa na cabeça, as ideias se embaralham e acabam atravancando por onde começar! Chegando na última semana de janeiro e ainda tô sem definir como dar o ponta pé inicial ao meu “projeto literário de 2019” que fiz de promessa de fim de ano em 2018. 🙁

  5. Olá pessoal,

    Gostei muito do episódio. Legal ter um trio novamente.

    Estou mesmo neste momento de selecionar um projeto, ainda não consegui, tenho vários parados e alguns novo querendo entrar, mas com fé conseguirei. As reflexões levantadas no episódio certamente me ajudarão.

    Quando comecei, há muitos anos, fui pelo caminho difícil de um projeto longo que levei 17 anos para concluir. No meio deste caminho percebi o “erro” e iniciei projetos paralelos menores. Uma dica que eu deixo aqui de refoço: se possível, comecem com coisas menores mesmo. Por outro lado, nem sempre o tesão da escrita está no projeto menor, na dúvida, melhor ficar com o tesão.

    Abraços!

  6. Caramba, eu sei que vocês são o “curta” ficção, mas não precisavam ter tirado férias tão “curtas” hahahahaha XD
    Bem, mas já que vocês voltaram a rotina, melhor para nós ouvintes e não só melhor, “mágico” também, porque temos a grande Paola, nossa “farmacêutica de videntes” da Mafagafo, como uma adição “fantástica” ao trio (desculpe, estou cheio de trocadilhos hoje).
    Sobre o tema, adorei, afinal sou eu que vivo pedindo por mais casts didáticos hahahahahaha Mas achei essencial, porque é uma questão vivo me pegando pensando. Será que esse tema é bom para um conto? Será que deveria mudar o gênero? Devo seguir o mercado ou ir contra corrente? E o mais fascinante dessas questões é que, de fato, é algo bem pessoal e por isso não é uma ciência exata. Há sempre exceções no mercado, fora que, às vezes, você é contra escrever algo mas acaba se descobrindo muito bom nisso.
    De exemplo pessoal, recentemente passei por algo parecido: Eu gosto muito de fantasia urbana, principalmente numa pegada de “raízes medievais e folclóricas” (uma pegada Gaiman). Daí, quando fui “escolher o que escrever”, para a ficção relâmpago para Mafagafo, eu montei uma flash nessa temática. Mas mesmo sendo o que eu gosto, não achei que ficou boa. Por sorte, me tive uma ideia de plot ao ler um poema, porém o plot só se encaixava numa história de zumbis…
    ..E eu odeio narrativas de zumbis.
    Sério, sou um anti-fan de The Walking Dead e nunca curti jogos desse gênero. Mesmo quando blogava sobre terror, era o assunto que menos gostava de falar.
    Por outro lado, a flash de zumbis ficou melhor que a minha amada fantasia urbana, sendo que a primeira flash eu rascunhei bastante, editei, conversei com outros escritores acima desse mero aspirante e até li livros sobre “mitologia arthuriana”, já a flash de zumbis escrevi numa sentada só. Portanto, acho que foi um ótimo aprendizado, não só por ter me arriscado fora da minha bolha de conforto, quanto por perceber quais “recursos narrativos” se encaixam melhor nesse tipo de “formato” de conto.
    Espero que seja um ano de muitos bons episódios e estou louco para ver ouvir os novos convidados desse ano vindouro. Tudo de bom para vocês, equipe curta ficção!
    Um grande abraço.

    P.S.: Quero ver a Paola pistolando no Pavio Curto, porque esse ano não vai faltar assunto para nos tirar do sério 😉

  7. Habemos um trio de novo.
    Bem-vinda \o/ Yeah!!!
    Vou ouvir o episódio mais umas três vezes para considerar que ouvi de fato porque vocês vão falando e várias ideias vão surgindo.
    P.S.: Senhor (ou) Thiago (ou) Lee, por favor ao menos uma noveleta no mesmo universo de Cibersolitude (e quem sabe fazer com que a Dame Blanche domine o cast por inteiro ~carinha feliz~).

  8. Parabéns pelas dicas!

    Saí de um relacionamento abusivo no ano passado e ainda estou me recuperando. Vou voltar a escrever para pegar ânimo antes de me dedicar à organização de antologias.

    Abraços.

Leave a Reply to Mike Wevanne Cancel reply

*